Feeds:
Posts
Comentários

Fala Galera, no encontro de líderes de Julho 2014 tive a  oportunidade de bater um papo com os participantes e contar um pouco sobre a experiência que tive nos EUA onde conheci uma galera muito especial e tive aprendizados marcantes que eu gostaria de dividir!

Vou transcrever aqui no blog então mais ou menos o que eu falei lá no encontro pra quem não teve a oportunidade de estar lá.

Lá nos EUA, tive a oportunidade de conhecer e conviver com pessoal muito bacana eles fazem parte do Jubilee Project, que em português significaria mais ou menos “Projeto Felicidade”. O Jubilee Project é uma ONG que tem como base fazer vídeos e contar histórias para inspirar mudanças. A ideia deles é fazer vídeos para uma boa causa. Portanto eles produzem conteúdos em parceria com outra ONG’s afim de aumentar a conscientização e inspirar as pessoas a fazerem algo em relação a diversos problemas, desde saúde até comportamentais.

Aqui estão um trailer e um vídeo deles como exemplo.( São diferentes dos que eu mostrei no Encontro)

 

 

No fundo o eles tem como objetivo criar um movimento de pessoas que queiram fazer o bem… Tudo a ver com a Shuyodan né?

Pra entender um pouco mais sobre o Jubilee Project acho que é interessante entender como a ONG nasceu

Em Janeiro de 2010, um terremoto atingiu o Haiti causando milhares de mortes… Então Jason decidiu pegar seu violão e ir a uma estação de metrô de NY afim de arrecadar $100 para ajudar os necessitados de lá. No final do dia ele tinha conseguido apenas $70. Mas quando eles pegaram as imagens que eles tinham captado no dia, editaram e colocaram no Youtube pedindo mais doações eles conseguiram mais de $700!

Inspirado por isso ele chamou seu irmão Eddie e o amigo Eric para criarem o Jubilee Project. No começo eles continuaram com suas vidas normalmente e criavam os vídeos no tempo livre. Mas o tempo foi passando 2 anos atrás os 3 sentiam um vazio enorme dentro deles e apesar de estarem muito bem em suas carreiras,

Pra se entender a história é importante conhecer como eles estavam em suas carreiras, Jason se formou em Negócios (Business)em Yale e trabalhava como Consultor em Nova Yorque, Eddie se formou em algo como Ciências Politicas e Economia (Government and Econony) em Harvard e trabalhava na Casa Branca junto ao presidente Obama e Eric estava terminando a sua faculdade de medicina em Harvard. Ou seja, eles eram muito feras no que faziam!

eles decidiram largar tudo e trabalhar em tempo integral com o Jubilee Project, que era o que eles realmente amavam…E acreditavam que seria o propósito da vida deles…

 

 

E agora, dois anos depois, eles contam com uma equipe de mais ou menos 10 pessoas trabalhando com eles diariamente, o canal deles tem mais de 100mil inscritos, milhões de visualizações em seus vídeos e milhares de pessoas inspiradas por eles a fazer o bem… por que como o próprio lema deles diz… Fazer o Bem é Contagiante…DOING GOOD IS CONTAGIOUS =]

O mais impressionante disso tudo é que apesar de todos esses números é que nem eles nem os funcionários ainda não ganham dinheiro. Viver de Youtube não é facil, e tudo o que eles arrecadam vai basicamente para pagar os gastos ou para doações as instituições que eles trabalham em conjunto. Mas mesmo assim eles se sentem realizados com o propósito deles de levar a mensagem de fazer o bem!

Antes de ir para o encontro de líderes eu mandei um email para eles perguntando se podiam gravar uma mensagem pro pessoal da Shuyodan, e eles toparam com o maior prazer!

E como eu pude conhecer esses caras pessoalmente? A partir do Jubilee Project Fellowship. Em Junho desse ano eles convidaram 11 jovens cineastas que eram apaixonados por fazer filmes e contar histórias, a fim de dividirem não só suas experiências profissionais como também suas experiências pessoais e assim aprender um com os outros… E eu fui um dos 11 selecionados a participar! =D Lá nós moramos todos juntos numa casa durante 2 semanas e fomos divididos em 3 times , cada time foi responsável por fazer um filme onde o objetivo final era passar a mensagem de viver por algo maior. (Live for something greater)

Essa foi sem dúvida nenhuma uma das experiências mais incríveis da minha vida! Aprendi muito com as histórias dos outros mas o que realmente me tocou foi ver o quanto os outros 10 participantes amam o que fazem… Pude observar todos eles trabalhando com tanto amor que me inspirou e me fez refletir muito sobre mim mesmo. Por toda minha vida eu nunca tive a pressão de trabalhar por grana e tudo mais.. e sempre fui livre pra fazer o que eu realmente gosto, eu sou muito sortudo por ter pais que me apoiam tanto. Mas nos últimos anos, com a idade chegando o quesito grana meio que se tornou parte do meu pensamento e até mesmo se tornou parte dominante.

Mesmo trabalhando com vídeo que é o que eu amo, eu estava tão preocupado com dinheiro que fazia as coisas sem amor nenhum.. no modo automático sabe?

E ver todos os participantes, o pessoal do Jubilee Project, conhecer a história deles que acabei de contar pra vocês me fez refletir se eu estava realmente trabalhando com amor?

Lembrei das minhas tatuagens que fiz em homenagem a SYD e como eu me propus a sempre trabalhar com Amor e Suor pela Shuyodan… e estava esquecendo de levar isso pra minha própria vida.

E ver uma turma de fora da shuyodan me mostrar essa mensagem foi muito legal sabe? Por que fez eu acreditar que a mensagem de fazer o bem (que não é somente deles, da shuyodan, ou de qualquer outro grupo…) é realmente contagiante e que podemos também fazer isso por aqui… E é por isso que eu pedi pro pessoal pra poder contar essa história pra vocês…. Por quem mais eu poderia começar se não for pelos futuros líderes, que trabalham tão forte e com tanto amor assim pela Shuyodan…?

A Shuyodan tem essa mensagem de fazer as coisas com Amor e Suor e espalhar as sementes da felicidade (que vocês todos devem saber já né?), e o encontro de líderes tem esse propósito de reunir vocês que já são mais velhos para começar esses movimentos de mudança de exemplos pra sociedade sabe? E nos últimos anos percebo que os encontros de líderes estão focados mais em liderança, carreira, metas.. o que eu acho muito legal e apoio totalmente… \

Mas não falamos muito do Amor.. E é por isso que estou aqui batendo esse papo com vocês, pra falar que todos nós trabalhamos muito e com muito suor, seja pela shuyodan.. seja na escola, nos estágios e nos trabalhos… Mas nunca se esqueçam de trabalhar com amor… por algo maior, com um propósito!

Mas como assim por um propósito? O seu propósito que vai mover o seu amor pode ser qualquer coisa, como ajudar os seus pais a terem uma vida mais confortável, trazer  igualdade para todos, ajudar as pessoas a terem uma vida mais saudável… No meu caso eu sempre quis fazer vídeos para contar histórias e com elas fazer as outras pessoas felizes.. E normalmente o propósito é algo muito maior do que a nossa própria felicidade e é isso que faz com que a gente trabalhe com amor.

Eu sei e entendo que muitas vezes nós temos que fazer coisas que são chatas demais… mas tenham sempre em mente que se no final isso tiver um propósito maior, vocês vão trabalhar duro, com suor mas também com amor!

Cada um de vocês são pessoas muito especiais para viver apenas por vocês mesmos! Façam o bem aos outros, contagiem as pessoas ao seu redor com esse espirito e vivam por algo maior!

 

Obrigado.

Dyn Yamaguti

 

 

 

Anúncios

O valor dos pais

maos

Um jovem de nível acadêmico excelente, candidatou-se à posição de gerente de uma grande empresa.

Passou a primeira entrevista e o diretor fez a última, para se decidir.
 Ele descobriu através do currículo do jovem, que as suas realizações acadêmicas eram excelentes em todo o percurso desde o secundário até a pesquisa da pós-graduação e não havia um ano em que não tivesse pontuado com nota máxima.

O diretor perguntou, “Tiveste alguma bolsa na escola?”

O jovem respondeu, “nenhuma”.

O diretor perguntou, “Foi seu pai quem pagou as suas mensalidades ?”

O jovem respondeu, “O meu pai faleceu quando eu tinha apenas um ano, foi a minha mãe quem pagou as minhas mensalidades.”

O diretor perguntou, “Onde trabalha a sua mãe?” – e o jovem respondeu: “A minha mãe lava roupa.”

O diretor pediu que o jovem lhe mostrasse as suas mãos. O jovem mostrou um par de mãos macias e perfeitas.

O diretor perguntou, “Alguma vez ajudou sua mãe lavar as roupas?” – o jovem respondeu: “Nunca, a minha mãe sempre quis que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, ela lava a roupa mais depressa do que eu.”

O diretor disse, “Eu tenho um pedido. Hoje, quando voltar, vá e limpe as mãos da sua mãe e depois venha ver-me amanhã de manhã.”

O jovem sentiu que a hipótese de obter o emprego era alta. Quando chegou em casa, pediu feliz a mãe que o deixasse limpar as suas mãos. A mãe achou estranho, estava feliz, mas com um misto de sentimentos e mostrou as suas mãos ao filho.

O jovem limpou lentamente as mãos da mãe. Uma lágrima escorreu-lhe enquanto o fazia. Era a primeira vez que reparava que as mãos da mãe estavam muito enrugadas e havia demasiadas contusões. Algumas eram tão dolorosas que a mãe se queixava quando limpava com água.

Esta era a primeira vez que o jovem percebia que este par de mãos que lavavam roupa todo o dia tinham-lhe pago as mensalidades. As contusões nas mãos da mãe eram o preço a pagar pela sua graduação, excelência acadêmica e o seu futuro.
Após acabar de limpar as mãos da mãe, o jovem silenciosamente lavou as restantes roupas pque faltavam.

Nessa noite, mãe e filho falaram por um longo tempo.

Na manhã seguinte, o jovem foi ao gabinete do diretor que percebeu as lágrimas nos olhos do jovem e perguntou, “Diz-me, o que fez e o que aprendeu ontem em sua casa?”

O jovem respondeu, “Eu limpei as mãos da minha mãe e ainda acabei de lavar as roupas que sobraram.”

O diretor pediu, “Por favor, diz-me o que sentiu.”

O jovem disse “Primeiro, agora sei o que é dar valor. Sem a minha mãe, não haveria um eu com sucesso hoje. Segundo, ao trabalhar e ajudar a minha mãe, só agora percebi a dificuldade e dureza que é ter algo pronto. Em terceiro, agora aprecio a importância e valor de uma relação familiar.”

O diretor disse, “Isto é o que eu procuro para um gerente. Eu quero recrutar alguém que saiba apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conheça o sofrimento dos outros para terem as coisas feitas e uma pessoa que não coloque o dinheiro como o seu único objetivo na vida. Está contratado.”

Mais tarde, este jovem trabalhou arduamente e recebeu o respeito dos seus subordinados. Todos os empregados trabalhavam diligentemente e como equipe. O desempenho da empresa melhorou tremendamente.

Uma criança que foi protegida e teve habitualmente tudo o que quis se desenvolverá mentalmente e sempre se colocará em primeiro, ignorará os esforços dos seus pais e quando começar a trabalhar assumirá que todas as pessoas devem ouvi-lo. Quando se tornar gerente, nunca saberá o sofrimento dos seus empregados e sempre culpará os outros. Este tipo de pessoa, que podem ser boas academicamente, podem ser bem sucedidas por um tempo mas eventualmente não sentirão a sensação de objetivo atingido. Irão resmungar, estar cheios de ódio e lutar por mais. 
Se somos esse tipo de pais estamos realmente demonstrando amor ou estamos destruindo nossos filho?

Podemos deixar nossos filhos viver numa grande casa, comer boas refeições, aprender piano e ver televisão numa grande TV de plasma. Mas quando cortarmos a grama, por favor, deixe-o experienciar isso. Depois da refeição, deixe-o lavar o seu prato juntamente com os seus irmãos e irmãs. Deixe-o guardar seus brinquedos e arrumar sua própria cama. Isto não é porque não temos dinheiro para contratar uma empregada, mas porque amamos e queremos ensinar como deve de ser. Queremos que ele entenda que não interessa o quão ricos os seus pais são, pois um dia ele irá envelhecer, tal como a mãe daquele jovem.

A coisa mais importante que os seus filhos devem entender é apreciar o esforço e experiência da dificuldade e aprendizagem da habilidade de trabalhar com os outros para fazer as coisas.

Quais são as pessoas que ficaram com as mãos enrugadas por mim?

Colhendo o que plantamos

Acampamento em Fukushima

Fala pessoal, há muito tempo que o blog anda parado, estou sem tempo para divulgar e criar conteúdo e desde já peço desculpa a todos. Mas ele ainda existe e está ativo, por isso, quem tiver um texto em mente ou quiser escrever sobre algum assunto específico, falar sobre alguma ação bacana que faça sentido divulgar aqui no blog, mandem o texto para mim que posto aqui! Assim como fez nosso grande amigo Yukio Yasunaga, que tarda mas não falha e vem com um post novo para revivermos o blog! Boa leitura. ( Aproveitando, estou a procura de um novo curador para o blog, alguém se habilita?)

Olá pessoal, no primeiro post sobre a bolsa oferecida pela Shuyodan do Japão, em 2011, comentei que fiquei com mais vontade de ir pela entidade, e quem sabe estaria eu postando as fotos. Pois é, um ano após o comentário fui contemplado como bolsista, em 2012, juntamente com a Marili. Pode ser que tenha demorado um ano para escrever estas linhas, mas cá estou a fazê-las.
Nos koshukais de janeiro aqui no Brasil, a Marili e eu tentamos passar para os participantes um pouco da nossa experiência comentando e mostrando as fotos que tiramos por lá. Quem não pôde curtir um pouco de nossas explicações, estarei a contar a vocês abaixo sobre esta inesquecível viagem.
Logo em nossa chegada ao Japão, quase entramos em apuros, pois para adentrar no país do Sol nascente, era necessário escrever onde ficaríamos. Por sorte, eu estava com um envelope que continha o endereço na minha bagagem de mão. Uma dica para os futuros bolsistas viu!!
Como descrito pelo querido Waka, somos super bem recepcionados por todos da entidade. Notei que todos ali queriam se comunicar conosco, mas pela correria do trabalho, em muitos momentos não era possível.

Funcionário da SYD de Tokyo


Todos os anos um sensei do Japão vem para o Brasil acompanhar como os koshukais acontecem por aqui, e dar palestras. E poder reencontrar todos aqueles que um dia nos fizeram chorar na cerimonia da vela, nos fizeram sorrir em suas atividades, nos ensinaram algo em suas palestras, foi bom demais!!! Tivemos o prazer de aprender um pouquinho mais sobre os ensinamentos, como se iniciou, os trabalhos realizados pela Shuyodan, com todos os sensei que tivemos contato por lá.
O meu maior desafio físico encontrado não foi subir o Monte Fuji, mas sim sentar em seiza (sentar sobre os joelhos, muito utilizado nas artes marciais) por muito tempo, uma grande dificuldade para os brasileiros, pois não somos acostumados a esta posição.

Conseguimos!! Topo do Monte Fuji


Em nosso momento turista pudemos visitar algumas regiões bem conhecidas e a outros pontos nem tão conhecidos, mas muito interessantes também. Alguns desses lugares foram Shinjuku, onde tem o maior cruzamento de pedestres do mundo; Asakusa, onde tem um templo e uma região com barraquinhas relembrando as casas antes da Segunda Guerra Mundial; Naiku na cidade de Ise, que é um dos maiores santuários xintoístas do Japão e, subir o Tokyo Sky Tree, que é uma das maiores torres do mundo, senão a maior.

Parceira de todos os momentos
A cada ano a programação dos bolsistas sofrem alterações, e no ano passado, em vez de participar do koshukai na cidade de Ise, passamos uma semana em Fukushima realizando trabalho voluntário na cidade de Ishinomaki, atingida pelo tsunami que virou noticia por todo o mundo em 2011. Os voluntários eram formados por estudantes do ensino fundamental e médio de todo o Japão.
A realização de trabalho voluntário nos propicia sentimentos únicos, um gesto tão nobre e tão simples, e que depende apenas do passo inicial de cada um querer ajudar. A luta do pessoal de Ishinomaki nos mostra o quanto as pessoas podem ser fortes, apesar das circunstâncias, ainda podemos sorrir.

Voluntariado em Fukushima


Em Fukushima – Bandai Fureaipia há uma história onde dizem que muitos espíritos vagam pelas montanhas perto do lago, como só pude descobrir isso já aqui no Brasil, créditos ao Yamazaki sensei, espero que nenhum atormente os futuros bolsistas em sua passagem por lá… hahaha… enfim, em Bandai Fureaipia foi onde ocorreu o acampamento de verão, com duração de 5 dias, pudemos sentir novamente o que era ser líder de grupo e como era gostoso esse período cuidando e convivendo com todas as crianças.

Marili e seu grupo em Fukushima


Um agradecimento especial
A Natsu-san que tanto cuidou de nós em Tokyo.
Ao Shimura-san que com sua simplicidade e seu grande caráter nos ensinou tanto.
Ao Yamazaki-san, Aoki sensei, Yamazaki sensei, Kuse sensei e Tieko sensei que nos explicaram sobre o funcionamento da Shuyodan do Japão.
Ao Hosaka sensei, Teraoka sensei e Takeda sensei que nos acompanharam quando fomos a Ise.
A Choco, Ari e Masamitsu que nos acompanharam em nosso passeio na Disney.
E a grande parceira de viagem, Marili!!! Obrigado pela companhia, pelas conversas, por tudo!!! Valeu cada momento lá, meio perdidos as vezes, mas sobrevivemos!!!
Espero ter conseguido transmitir um pouco do que pude vivenciar e aprender nessa passagem pelo outro lado do mundo. E quem sabe você que está lendo, não seja um futuro bolsista da Shuyodan, podendo vivenciar tudo isso. Assim espero.

Natsu-san e Yamazaki sensei

Matsuri em Ise

Aoki sensei em Fukushima

Com a Choco na Disney

Logo menos mais dois de nossos queridos coordenadores da SYD estarão partindo para uma temporada no Japão, vivenciando um pouco de como funcionam as coisas por lá. E eles são a queridíssima Michelle Kato, e o meu caro Seiti Otake. Aproveitem assim como todos que foram um dia. DIVIRTAM-SE PESSOAL!

Voluntários na praça em homenagem a Monzo Hasunuma

 Marili preparando pra botar fogo em tudo

 Agora vocês vão aprender a assobiar

Koshukai Suzano/Aceas 2012.

O post abaixo é na realidade uma carta/resposta escrita pelo Coordenador Xan para um participante, que enviou uma carta para a coordenação sugerindo algumas mudanças dentro do Koshukai de Suzano/ACEAS. Talvez não seja a resposta que o participante estava procurando, mas achamos que é uma boa forma de refletir sobre parte da filosofia da Shuyodan, além de contar uma das histórias do Fundador – Monzo Hassunuma.

“Há muitos anos atrás, num pequeno vilarejo no Japão, vivia um menino numa familia muito pobre que se chamava Montchan. Ele era muito bondoso e carinhoso com muitas pessoas, sempre demonstrando uma alegria incomum.

Por ser pobre, ele tinha que ajudar a sua mãe nas tarefas domésticas (lavar roupas, cozinhar, cuidar dos irmãos mais novos, etc…). Com isso ele sempre era motivo de piada por parte dos seus colegas na escola.

Sempre dedicado aos seus afazeres domésticos e com os estudos, ficava sem tempo para brincar. Seu único divertimeno era ler livros que ganhava de sua familia em seu aniversário. Ficava maravilhado com as histórias que lia nos livros. Um dia recebeu um convite para ser o contador de histórias numa festa do seu vilarejo. De inicio estava receoso por ser alvo de zombaria de seus colegas, mas não recuou e aceitou. Aceitou, principalmente, por não ter medo de fugir dos desafios.

No dia do evento estava todo trêmulo. O nervosismo era tanto, que gaguejou muito ao iniciar a contar as histórias. Os colegas que já estavam gozando dele, riram mais e mais. Mas como ele não era de desistir, lembrou do que o fascinava nas histórias e as contou com muito entusiasmo. Tanto que até seus colegas deixaram de rir e começaram a ficar encantados com aquilo que ele contava. E foi assim que ele começa a criar grandes amizades em seu vilarejo.

A história escrita acima, é uma das histórias do fundador da Shuyodan,  Monzo Hassunuma. Sempre que havia dificuldades, procurar começar com ele a transformação do mundo em que vivia. Claro que nem sempre é tão simples assim e algumas coisas requerem um certo tempo para acontecer. O importante é sempre persistir em seus objetivos e busca-los constantemente.

Assim a animação poderá sempre existir, independente das pessoas, das atividades e da localidade. Precisamos dar o primeiro passo, mostrando a nossa alegria com um simples sorriso.

Agradeço a sua colaboração e espero contar com você nessa caminhada. Mas temos que dar sempre o primeiro passo.”

Um Grande Abraço
Xan.

E até que enfim segue as fotos do Koshukai de Suzano! Desculpem-nos pela demora.
Estamos aguardando alguma alma bondosa que esteja afim de colaborar conosco e escrever um post especifico do koshukai de Suzano 2012! Alguém se habilita?

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quem quiser fazer o download das fotos só clicar aqui.

Encontro de Líderes 2012

Pessoal animado,

Mais um mega evento organizado pela SYD do Brasil para vocês, desta vez o Encontro de Líderes que será realizado nos dias 04 e 05 de feveiro de 2012 na cidade de Salesópolis!!!
Para quem nunca foi no encontro de lideres, lá faremos várias atividades de integração, reflexão e formação de líderes, jogos esportivos e o principal, passar os ensinamentos da entidade. Participação especial do prof. Ikuo Kuse e psicóloga Sandra Hassunuma.
Não perca esta chance!!! VAGAS LIMITADÍSSIMAS!!!
Lugar: Sitio Oshida – Salesopolis
Data: 04 e 05 de feveiro de 2012
Horário: inicio no dia 04 às 9h00 e término no dia 05 às 17h00
Pontos de saídas:
A) Mogi :Comparecer em frente da casa do Massao as 7:30h da manhã, iremos sair de lá as 8:00h rumo ao sitio Oshida, quem tiver espaço no carro por favor ajudar na carona…(mapa da casa do Massao no final do post).
B) Suzano: Comparecer em frente à Padaria Santa Helena (Rua: Benjamim Costant, 1130 ,Suzano/SP) as 7:00h da manhã, iremos sair de lá as 7:30h rumo a casa do Massao, quem tiver espaço no carro por favor ajudar na carona…

Condições para participar:
– Todos que tiverem 15 anos completos ou mais
– Participantes, vice-líderes, líderes, staff ou coordenação que realmente participaram em um dos koshukais deste ano de 2012 (Suzano ou Mogi).

**Quem não preencher esses requisitos, podem enviar um e-mail para ficar na lista de espera**

Limite de participantes: 50 pessoas
Taxa de inscrição: R$10,00, pagar no dia

Os interessados devem enviar confirmando presença no e-mail da shuyodan até o dia 03 de Fevereiro. (shuyodan.brasil@gmail.com), o NOME, IDADE, FUNÇÃO, PONTO DE SAIDA e QUAL KOSHUKAI FOI ESSE ANO, a confirmação só será feita após o envio de uma mensagem da Shuyodan avisando que a inscrição está autorizada, as inscrições serão feito por ordem de chegada, então confirme logo o seu!

Qualquer dúvida entrar em contato com o pessoal da coordenação: Wakaun(8962-1670), Alex (7450-8192), Lilian (8020-3570), Douglas (8150-8482), Daniel (7743-7904), Dyn (7664-1519), Yukio (9119-1327) ou Adriano (8163-6088)
Qualquer alteração nas informações entraremos em contato.

Att.
Coordenação

 

 

“Como coordenador não posso mais escrever a redação individual que todos escrevem no final de cada Koshukai, mas se pudesse escrever algo, seria mais ou menos dessa maneira…

No último final de semana (6,7 e 8 de Janeiro/2012) tivemos o primeiro koshukai do ano, lá em Cocuera Mogi das Cruzes. Pra mim que comecei a participar na Shuyodan em 1997 pode soar como apenas mais um koshukai, e confesso que pensava dessa forma, mas não foi.

Como muitos devem saber eu sou apaixonado pela Shuyodan, desde o meu primeiro koshukai eu só me ausentei em duas épocas e as duas foram por estar estudando fora do Brasil (2002 e 2011). Como o nosso mais novo Koshi Massao Kussano sempre falou nos encontros de líderes, temos que correr atrás de nossas METAS, e confesso que tracei muitas durante todos esses anos dentro da Shuyodan. E com muito orgulho posso dizer que conquistei todas elas!

Ser líder de grupo, me tornar o coordenador responsável pelo Teatrinho, criar novas atividades de recreação, ir ao Paraná, ser o coordenador responsável pelo Apito e finalmente ir ao Japão! Que confesso era o grande sonho da minha vida.

Em 2008 tive a oportunidade de ir ao Japão! E me senti realizado! Mas ao mesmo tempo minhas metas acabaram, senti que não tinha mais para onde crescer dentro da Shuyodan e algumas insatisfações com a diretoria da Shuyodan e com outros fatores estavam me desmotivando desde então. Continuava a participar por sentir obrigação de como ex-bolsista colaborar com os koshukais e eventos da shuyodan, mas não tinha a mesma “pegada” de antes.

Mesmo com tal desmotivação, procurava em todos os koshukais e eventos da Shuyodan ter uma participação bem ativa, executando, organizando e coordenando todas as atividades em que era possível. Queria sempre ser importante dentro da coordenação.

Mas no koshukai de Cocuera tive uma atuação diferente de todos em que participei. Fiquei como um simples observador, claro que ajudei aonde foi possivel mas senti que minha presença por lá talvez não fizesse tanta falta. Não sei se foi por culpa de uma gripe que me pegou logo no primeiro dia ou pelo simples fato de estar desmotivado e insatisfeito com muitos fatores, que não vem mais ao caso. Quando perguntado pelo coordenador Hélio no último dia de koshukai como eu avaliava a minha atuação, sem hesitar dei a mim mesmo um desempenho regular/baixo.

Foi aí que o barco virou. Esse desempenho como espectador me fez perceber detalhes que talvez sendo mais “ativo” não perceberia o quanto o trabalho que realizei junto a todos os outros coodenadores valeu a pena. Não vou citar nenhum nome para não correr o risco de ser injusto deixando alguém de fora.

Ver os novos coordenadores de lenço verde se reunindo antes do koshukai para realizar a Mega Brincadeira, que começou comigo e meus companheiros “old school”, e fazendo uma mega muito melhor e mais produzida que as nossas me fez sentir sentir um orgulho imenso deles!

Ver o empenho de coordenadores antigos e novos na cozinha. Dos líderes de grupo animados e gritando o mais alto possivel durante os 3 dias. Vice líderes motivados a se tornarem líderes apesar de a concorrência hoje estar muito mais acirrada, e muitos deles já prontos para assumir o tão desejado lenço laranja!

Isso tudo me fez perceber que a minha mais nova meta dentro da Shuyodan seria dessa vez por um bem coletivo e não mais individual como a maioria das outras! Quero manter a continuidade da Shuyodan para que os participantes de agora e do futuro possam ter a mesma oportunidade que tive durante esses mais de 14 anos de história!

E vendo todas essas pessoas trabalhando com tanto AMOR e SUOR, me fez motivado novamente a me unir a esse novo grupo maravilhoso de líderes que com muito orgulho posso dizer que tive uma parcela de influência no que eles são hoje dentro da Shuyodan

Agradeço a todos vocês por estarem contribuindo pelo aperfeiçoamento do carater de todos que estão envolvidos com a Shuyodan, e por terem feito me lembrar da mais nobre lição que aprendi num koshukai lá no Japão! Que o mais importante dentro de um koshukai são as crianças! E sei que todos estão trabalhando por elas e que são elas que vão manter a continuidade das nossas atividades assim como os novos líderes e coordenadores estão mantendo o trabalho realizado pelos coordenadores de antes!

Peço desculpas pelo longo texto, mas foi uma espécie de carta aberta. Pedindo desculpas pelas minhas últimas atuações e agradecendo a todos vocês por terem me trazido de volta a Shuyodan com força total.

E me comprometo a continuar trabalhando junto a vocês aprendendo, ensinando, errando e acertando para que no futuro todos nós possamos ver novos líderes e coordenadores fazendo pelos outros o que estamos fazendo por eles! Podendo assim espalhar essa linda mensagem que a Shuyodan divulga, para mais e mais pessoas!

Muito obrigado de coração a todos vocês! E já digo, no próximo final de semana em Suzano É NOIS!

Dyn Yamaguti

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quem quiser baixar as fotos clique aqui

PS.: Algumas fotos ficaram na outra camera, numa próxima oportunidade colocamos no blog também.

Convite para os pais

Aos Papais e Mamães,

A Shuyodan do Brasil agradece a confiança depositada em nós ao novamente deixarem seus filhos, filhas, sobrinhos e sobrinhas conosco para participarem do Koshukai realizado em Mogi das Cruzes. Se este é o primeiro contato de vocês com a Shuyodan, agradecemos também do fundo de nossos corações e esperamos que esta seja apenas a primeira de muitas participações!

Durante este Koshukai teremos diversas atividades para os jovens se divertirem muito e aprenderem um pouco do nosso lema: Amor e Suor. E, para que estes 3 dias corram como esperado, gostaríamos de solicitar ajuda de vocês, Papais, Mamães, Titios e Titias para nos auxiliar no preparo das refeições que serão fornecidas diariamente.

Ajudem-nos a deixar este evento inesquecível e muito especial aos participantes.

Caso possam colaborar em algum dos dias (07, 08 e 09/01/2012 – sexta, sábado e domingo), favor entrar em contato com o coordenador Yukio ou o Adriano, pelos telefones 11-91191327 e 11-81636088, respectivamente.

Agradecemos antecipadamente a atenção dispensada.

A Coordenação